Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Em Letras Pequeninas

Podem tirar a rapariga da farmácia, mas não podem tirar a farmácia da rapariga. Salvo seja…

Em Letras Pequeninas

Podem tirar a rapariga da farmácia, mas não podem tirar a farmácia da rapariga. Salvo seja…

11 de Fevereiro, 2021

Problemas de Gajas

Inês Reis

Venus_von_Willendorf,_copy-5.jpg

Enumera todas as marcas de medicamentos para a disfunção erétil que conheces. Vai!

Eu diria que conheço demasiadas (dos meus tempos de técnica de farmácia, não sejam maldizentos) mas, ainda assim, aposto que todos se lembram de umas duas ou três; e, logo à cabeça, estará a marca que reivindicou para si a propriedade da cor azul.

Mas este exercício de memória tem um propósito, e não é acusar ninguém de problemas do foro sexual.

Antes, o que pretendo é comparar o investimento feito na área do “levantar do mastro” com aquele direcionado para os problemas da saúde feminina.

Senão vejamos, tudo, mas absolutamente tudo, desde problemas hormonais, alterações do ciclo menstrual, dismenorreia ou endometriose, é “tratado” com a pílula contraceptiva - com resultados pouco claros, convenhamos – mas os amigos do sexo masculino têm ao seu dispor uma infinidade de cremes, comprimidos e até soluções injetáveis (haja coragem!) exatamente para o mesmo problema.

E, atenção, eu compreendo a necessidade de criar oferta para um mercado onde a procura é (muito) maior, mas, então, onde é que fica a responsabilidade social e os, ditos, valores destes gigantes da indústria farmacêutica?

Parece-me que deve estar na hora de eu ir tomar a pílula.

Imagem: Venus von Willendorf; Kopie. By photographer User:Thirunavukkarasye-Raveendran - Foto einer Kopie, CC0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=95094602

4 comentários

Comentar post