Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-Não-Comercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Em Letras Pequeninas

Podem tirar a rapariga da farmácia, mas não podem tirar a farmácia da rapariga. Salvo seja…

Em Letras Pequeninas

Podem tirar a rapariga da farmácia, mas não podem tirar a farmácia da rapariga. Salvo seja…

01 de Maio, 2023

O Dia-a-Dia Desta Trabalhadora

Inês R.

Como disse o poeta: "Muda de vida, se não estiveres satisfeito."

Eu percebo que a realização profissional parece um capricho das novas gerações, que "às vezes, é preciso pôr comida na mesa," mas a insatisfação com o trabalho reflete-se em todas as áreas da nossa vida e não deve ser colocada em segundo plano.

Desde que deixei a farmácia, pareço outra. Nas palavras de um familiar: entro e saio de casa com um sorriso nos lábios. E sempre que me perguntam como correu o dia, só tenho a dizer "bem". 

Longe estão os tempos em que me achava presa a uma realidade que, mesmo que inadvertidamente, fui eu que escolhi, pelo que não teria remédio a não ser cumprir a minha "sentença".

O primeiro passo foi perceber que se queria escrever só tinha, bem... de escrever. Ao contrário de uma carreira na lei (e tal como na política), não precisava de tirar um curso para o fazer, nem por isso, e foi exatamente isso que fiz. 

Todos os pequenos sucessos que tive na última década são conquistas que vão comigo prá cova e ainda não arrumei as botas, nem perto disso.

Depois, foi preciso decidir que não me importava com o que os outros iam dizer - e disseram, ó se disseram - porque a vida é demasiado curta para desperdiçar e muito longa para apenas sobreviver.

E se no futuro perceber que é preciso, volto a fazê-lo, porque estou "sempre a tempo de mudar".

22 comentários

Comentar post