Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-Não-Comercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Em Letras Pequeninas

Podem tirar a rapariga da farmácia, mas não podem tirar a farmácia da rapariga. Salvo seja…

Em Letras Pequeninas

Podem tirar a rapariga da farmácia, mas não podem tirar a farmácia da rapariga. Salvo seja…

08 de Julho, 2024

Depois de 30 Anos a Pairar

Inês R.

Há tempos, partilhei a minha experiência como atleta federada da modalidade de Pairar Sobre Sanitas de Casa de Banho Públicas. Agora, venho partilhar o que descobri sobre os perigos de fazer tal coisa. Fonte - Viral Check

Contra fatos não há argumentos: os tampos das sanitas em casas de banho partilhadas estão, frequentemente, pingados de urina. E ninguém quererá sentar-se sobre o xixi de estranhos (com as devidas resalvas, que eu não sou de julgar os fetiches de cada um).

Agora, podemos sempre limpar o tampo (ou até mesmo desinfetá-lo com uma toalhita) antes de fazer o serviço e, assim, evitar as acrobacias típicas de quem tem de se sentar para usar a casinha.

Pairar não só é perigoso para a saúde do trato urinário das mulheres, em particular, (podendo aumentar o risco de infeções) como acaba por ser contraproducente. Se todos pairamos, todos pingamos o tampo. Já se ninguém pairasse...

E não encontrei artigo, estudo, ou especialista que não dissesse o mesmo: a probabilidade de contrair doenças por sentar em sanitas públicas existe, em teoria, mas é muito, muito, muito baixa e não justifica os inconvenientes.

Para que nunca me acusem de não saber admitir quando estou errada, aqui vai: esta ex-rapariga da farmácia deixou este ano de pairar e aconselha a quem a lê que faça o mesmo.

01 de Julho, 2024

Construção de Equipas

Inês R.

Recentemente, participei numa atividade de team building patrocinada pela entidade patronal e, para além de ter acordado na manhã seguinte com o conhecimento exato da localização de certos músculos que não sabia existir, fiquei muito bem impressionada com toda a organização.

Fez-se uma espécie de jogos sem fronteiras em equipa e uma descida pelo rio em canoa, que eu temi desde o dia em que foi anunciada. Mas fica, desde já, o reparo de que o receio não era fundamentado. Adorei o raio da canoagem!

Foi, então, que decidi pesquisar a eficácia deste tipo de atividades.

Pois, que, em geral, o team building é visto como um penso rápido numa perna partida. Se há vantagens em proporcionar um ambiente positivo aos colaboradores durante umas horas, também parece ser verdade que muitas pessoas se sentem obrigadas a participar (apenas uma pequena percentagem deveras se diverte) e os laços formados raramente se refletem nos resultados da empresa.

Uma saída em conjunto, fora do horário laboral, não substitui a necssidade de fomentar colaborações entre trabalhadores e departamentos, não resolve miraculosamente conflitos existentes, nem torna as chefias mais eficientes.

Agora, se numa empresa onde trabalha um grande número de pessoas - como é o caso daquela onde trabalho - houver a possibilidade de conhecer melhor colegas que só vejo de passagem, eu diria que estas "brincadeiras" terão, no fim de contas, o seu valor.

E o segredo estará em saber escolher as atividades que mais poderão beneficiar uma determinada área de trabalho. Um piquenique, por exemplo, apesar de agradável, dificilmente terá grande impacto no sentimento de equipa entre a Financeira e o Design.

Fontes: Forbes, Harvard Business Review, Linkdin