Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-Não-Comercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Em Letras Pequeninas

Podem tirar a rapariga da farmácia, mas não podem tirar a farmácia da rapariga. Salvo seja…

Em Letras Pequeninas

Podem tirar a rapariga da farmácia, mas não podem tirar a farmácia da rapariga. Salvo seja…

31 de Outubro, 2022

Feliz Dia de Ficar em Casa

Inês R.

Amanhã é terça-feira e feriado.

Mas, descansem, este não é mais um texto a falar das 10 Melhores Maneiras De Aproveitar Um Fim De Semana Com Ponte.

Vou antes aproveitar para abordar o elefante na sala dos ateus, que é o feriado religioso.

"Ah, a religião isto, a religião aquilo, mas depois não tens problema nenhum em usufruir dos feriados que ela te dá..."

Verdade. Amanhã hei-de ficar em casa a fazer aquilo que bem me apetecer e não tenho pudor em admití-lo. Até porque não posso fazer grande coisa para o evitar.

Imaginem-me a chegar ao pé do patrão (ou responsável pelos recursos humanos) e a dizer que quero vir trabalhar porque "as minhas crenças" não me permitem tirar o dia - era rapariga para o fazer! Mas a resposta viria rápida e certeira: "Não, porque a empresa vai estar fechada e nós teríamos que te pagar em dobro - porque não deixa de ser feriado, - portanto, enfia lá os teus princípios no bolso, e aproveita o dia de folga que te estamos a dar."

Que é como quem diz: vivo num país maioritariamente católico e esta não é uma batalha que consiga ganhar - ainda - e, honestamente, não será a que mais importa vencer, tendo em conta o atual estado do mundo. 

E depois acho que posso considerar estes dias como uma espécie de indemnização pelos anos perdidos com missas, catequeses e problemas de auto-estima.

27 de Outubro, 2022

Divórcio Milionário

Inês R.

Freira Alega Diferenças Irreconciliáveis Para Divórcio Com Jesus

Os mais recentes escândalos envolvendo a Igreja Católica Portuguesa terão sido a gota de água que fez transbordar o cálice, já de si bastante cheio de problemas matrimoniais, e que levaram esta devota a decidir "meter os papéis".

Diz a irmã (que prefere manter o anonimato por razões de segurança) que a relação se começou a deteriorar quando apanhou o esposo em mentiras: "Diz à boca cheia que o pai criou o mundo, mas, sabe-se lá porquê, mandou escrever na Biblia que só haviam três continentes...?"

A história de como se conheceram faz inveja ao melhor dos contos de fadas: ele, herdeiro da maior fortuna do mundo, passava os dias a fazer truques de magia rodeado por um gangue de 12 fulanos que o seguiam para todo o lado e, ela, inocente - em todos os sentidos - deixou-se arrebatar pelas promessas de amor eterno: "Até acreditei na peta que me contou sobre a mãe ter engravidado sem se ter deitado com ninguém, vejam lá..."

Mas, agora que, literalmente, saiu da clausura e abriu os olhos (e uma conta de Internet), não vai parar até conseguir tudo aquilo a que tem direito: "Sou casada com comunhão de bens, meus amigos, e, neste caso, os bens incluem tudo o que se encontra entre o céu e a terra".

24 de Outubro, 2022

O Homem Sonha... O Livro Nasce

Inês R.

"Sonhei que estava a voar. E sabes o que significa? Falta de auto-estima," ouvi eu, com estes dois que o crematório há-de comer.

E para além do problema óbvio que é alguém acreditar deveras nestas "previsões," ao ponto de viver a sua vida limitado por elas, a minha maior implicância é com o fato de haver livros inteiros que juram a pés juntos saber o significado dos sonhos de cada um - quando a própria ciência ainda não conseguiu chegar a um consenso sobre a sua função. Fonte - Discover Magazine

Há teorias sobre como sonhar ajuda a organizar as nossas memórias, outras sugerem que sonhamos com situações que receamos como forma de nos prepararmos para elas, mas nenhuma, repito, nenhuma fala de um vidente em miniatura que habite no nosso crânio e trabalhe exclusivamente no turno da noite.

A questão é tão velha quanto o Homem e eu entendo, genuinamente, a necessidade de procurar respostas - eu, e todas as editoras daqueles livros com ilustrações zen do espaço na capa - mas que haja algum bom senso, por favor, (e menos dinheiro gasto em banha da cobra em formato de bolso).

20 de Outubro, 2022

Problema de Matemática Para Adultos

Inês R.

Uma mulher tem um rendimento de Pensavas-Mesmo-Que-Eu-Te-Ia-Pagar-Bem? euros e Oh-Que-Fofa... cêntimos que - para surpresa de absolutamente ninguém - não chega para pagar todas as contas. Que fatura deve ela deixar por pagar este mês?

A: Uma qualquer que tenha pago no mês anterior, para ganhar algum tempo até vir o aviso de corte;

B: A da Internet. Se tiver que passar os serões a ler livros só lhe faz é bem;

C: Que raio de pergunta é essa?! Como se viver no "chapa ganha, chapa gasta" fosse culpa dela...

(NOTA: não há respostas erradas)

O Paradoxo da Vida Adulta: Tem graça porque é verdade, mas não tem graça nenhuma.

17 de Outubro, 2022

A Hipérbole

Inês R.

Ou como escrever canções de amor.

"Passei o dia a pensar em ti"

Não. Pensaste em mim, talvez, umas sete ou oito vezes, nas últimas 24 horas - o que é bastante, não me interpretes mal - mas não foi todo o dia. Sê sincero.

"Estou de coração partido"

Certo, a ciência reconhece o Síndrome do Coração Partido como uma patologia verdadeira, mas o órgão em si é composto por tecido muscular que, no máximo, pode rasgar, nunca partir. E que mal é que tem ficar de coração rasgado?

"Vou amar-te para sempre"

Se com "para sempre" quiseres dizer "durante uma beca de tempo," então, sim, será para sempre, mas esse não é o significado da palavra e tu sabes bem disso. E depois, a menos que sejas vidente, não tens maneira nenhuma de saber o como te vais sentir daqui a uns anos, quanto mais até ao teu último dia na Terra.

Em conclusão, não culpes o romantismo pelas tua escolhas criativas, tá?

13 de Outubro, 2022

Tratamentos Anti-Queda de Cabelo

Inês R.

Ou a razão pela qual nunca vou arranjar um patrocínio da Dercos.

E quem diz Dercos, diz outra marca qualquer que ande a vender sonhos a carecas ou banha da cobra durante a queda da folha.

Porque a verdade é que não está comprovado que estes champôs, ampolas, suplementos vitamínicos e outras mezinhas em embalagens chiques, tenham, efetivamente, algum efeito no crescimento do cabelo. (Fonte)

Aliás, não se sabe se fazem bem e há ainda a possibilidade de fazerem mal - quanto mais não seja à carteira da malta (sendo que são sempre, convenientemente, tratamentos de pra cima de três meses).

Na dúvida é consultar um dermatologista, mas raramente a queda de cabelo precisa de atenção médica; geralmente, requer apenas alguma paciência e chá de limão*.

Mesmo que nos pareça que deixamos a nossa cabeleira inteira no ralo do poliban...

*exemplo ilustrativo, passível de ser substituído pela bebida não-alcoólica da sua preferência

10 de Outubro, 2022

Horóscopo da Semana, Na Minha Opinião

Inês R.

Semana de 10 a 14 de outubro

Mercúrio continua a fazer a sua orbita normal, metido na sua vidinha, e, sinceramente, acho bué ofensivo que a malta responsabilize um planeta onde não habita pelas cenas maradas que lhe acontecem.

Ó nível da vida amorosa, a semana vai correr bem para alguns e mal para outros - e não é porque estava escrito na TV Mais, mas porque as coisas são memo assim.

Profissionalmente... escutem, há dias complicados e, sim, por vezes a culpa não é nossa e temos de gramar com a pastilha na mesma, mas garanto-vos que é muito mais fácil aceitar este fato e guardar a nossa energia para as batalhas que realmente valem a pena lutar. Ou, então, está na hora de procurar novo emprego. Sei lá, meus, eu não vos conheço...

Números da sorte: o número de telefone daquela pessoa que andavam há séculos para convidar para sair, o canal de televisão que tava a dar o filme preferido da vossa adolescência e o 7, sempre o 7.

06 de Outubro, 2022

Sempre a Aprender

Inês R.

Há dias fui apanhada na curva por um telefonema de uma conhecida marca de planos de saúde que começa por "M". Depois de perceber o meu erro, imaginei-me a ouvir a senhora recitar o seu monólogo com toda a intenção de rejeitar a proposta, mas não foi bem isso que aconteceu...

É que o raio do plano pareceu-me mesmo bem e eu "assinei" contrato.

Mas bastaram uns minutos após o fim da chamada para o arrependimento me bater à porta: "Então, isto ao fim de um ano - porque eu tenho de cumprir uma anuidade! - são quase 300 paus! E se eu tivesse 300 euros casava-me...."

Escusado será dizer que nessa noite mal dormi.

E, escutem, se eu não estivesse a ver os preços de absolutamente tudo a subir que nem homens-aranha das bolsas de valores, eu era rapariga para estar agora aqui a gabar o tal plano que acaba em "care" - os descontos chegam a valores muito bons, desde que se faça a devida pesquisa pelas instituições abrangidas na nossa área de residência.

Até que dois dias depois, decidi ler a documentação que me enviaram - algo que devia ter feito imediatamente - e descobri que existe um decreto de lei que protege malta exatamente como eu em casos de contratos celebrados à distância. (Fonte)

Chama-se direito de livre resolução e garante ao consumidor o direito de resolver, que é como quem diz cancelar, qualquer contrato celebrado por telefone, pela Internet, ou fora do estabelecimento comercial até 14 dias seguidos sem qualquer necessidade de justificação.

Basicamente, dá ao pessoal a possibilidade de se arrepender daquela compra que não estava mesmo nada a planear fazer às nove da noite de uma sexta-feira, já de pijama e Netflix ligada, e eu agradeço muito a quem se lembrou disto, de coração.

03 de Outubro, 2022

O Problema Com o Jeffrey

Inês R.

O que vão ler de seguida não é o que me tinha proposto escrever quando cliquei em "novo post".

A intenção era falar de como tinha gostado da nova série da Netflix DAHMER - Monster: The Jeffrey Dahmer Story pelas excelentes interpretações e, principalmente, por ser das poucas que se foca nas histórias das vitimas e suas famílias, ao invés de romantizar o vilão.

Mas enquanto fazia a minha pesquisa, dei-me conta de que algum do metafórico verniz já tinha estalado em volta da série; em parte, graças a este texto do Acho Que Vais Gostar Disto que me fez repensar o meu interesse em conteúdos sobre true crime

Certo, as cenas mais macabras são apenas mostradas de forma implícita - a clara falta de empatia do fulano faz o resto -, mas para as pessoas envolvidas - ainda bem vivas - estes contos semi-ficcionados não são mais que as histórias das suas muito reais desgraças, dissecadas em público sem o seu consentimento.

E, neste momento, não consigo aceitar que o preço a pagar pelo meu interesse neste tipo de conteúdos seja a constante re-traumatização das vitimas e seus familiares. 

Não descarto a relevância de documentários e ficção sobre este tipo de crimes (que tanta curiosidade nos desperta, pela sua natureza macabra), mas será que haverá ainda alguma coisa a dizer sobre estes fulanos que não tenha sido já exaustivamente explorada?